Novo Blog para o Concelho de Ourém. Rumo à Excelência. Na senda da Inovação
comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 05.08.10 às 10:10link do post | | adicionar aos favoritos

 

O Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro, disse esta semana, em entrevista ao “Diário de Notícias”, que os seus poderes assemelhavam-se aos da Rainha de Inglaterra.

Por nós, achamos que há, pelo menos, mais duas semelhanças entre o nosso chefe máximo do Ministério Público e a Monarca Inglesa.

Desde logo, o chapéu.

No entanto, o chapéu da rainha tem griffe e fica-lhe muito bem, ao passo que o do procurador é simplório e torna-o ainda mais parolo.

Depois, a presença nos cargos.

Se a rainha se tem revelado ao longo do tempo uma conservadora por natureza, com sentimentos gélidos e snob em excesso, e, por isso, já há muito deveria ter passado o testemunho, pelo lado de Pinto Monteiro as coisas não são muito diferentes, tendo o mesmo se revelado um provinciano e um inábil no exercício do cargo, metendo os pés pelas mãos, dando tiros nos pés e, por isso, igualmente dispensável.

Era um favor que fazia a si próprio, ao país e à credibilidade da justiça.

A não ser que uma figura balofa como esta, e no cargo que ocupa, seja conveniente e aproveite a alguém…


J.Atónito a 5 de Agosto de 2010 às 11:01
Com a Justiça que temos, e com os imperadores que de lá mandam flechas e escondem a mão, não pode haver ninguém mais provinciano, incompetente, desrespeitador dos direitos dos cidadãos e antidemocrático do que os intervenientes na aplicação da justiça em Portugal. Aliás esses de tão mesquinhos até se podem apelidar de selvagens. E aí sim, até poderiam usar um chapéu com penas e tudo como a rainha Isabel II. Incompetentes que depois de não poderem incriminar ninguém, mandam o nome das pessoas para a lama para que gente que disso gosta possa chafurdar na lama à vontade. Sujem bem as mãos e bom proveito. Os Portugueses sabem muito bem os "tipos" que sustentam , só que estes são verdadeiros imperadores e não podem ser corridos com eleições, tal como a rainha de Inglaterra. É pena, mesmo pena!...Só com uma revoluçãozita sem cravos...

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:09
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

lello a 5 de Agosto de 2010 às 20:23
Excelente critica que diz tudo sem ofender , não entendo as palavras de algumas pessoas dizendo que são calunias, todos temos direito a uma opinião numa sociedade que se diz democratica(será que é?) ou sempre que alguem opina de forma diferente ao actual poder essa critica não é válida? Qualquer pessoa no seu juízo perfeito percebe tudo o que se tem passado, o poder politico secundado pelo PGR que age como um cão de fila na defesa dos interesses do poder politico instalado, chega a ser imoral esta atitude do PGR, por outro lado temos toda estrutura montada na defesa de um feudo que governa os nossos destinos apenas para se banquetearem e enriquecerem á custa de todos nós e que fazemos nós? assistimos a tudo impávidos , sem reacção, até quando? Precisamos de uma limpeza muito grande na justiça, hoje fazem-se leis para proteger os politicos , os poderosos que saem sempre impunes de tudo, veja-se o caso casa pia, freeport, apito dourado, etc, toda a gente vê que está mal que a lei deve ser mudada, quem a pode mudar são os politicos e os juizes, então porque não a mudam? porque continua tudo igual ou cada vez pior? é simples, eles estão bem e isso é que interessa, nada mais, temos de acordar e um dia acredito que isso vai acontecer...

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 14:59
Estimado leitor,

A crítica, quando construtiva, vale sempre a pena. De facto, o nosso país continua a assistir, impávido e sereno, a um cortejo de casos sem solução que mancham a nossa credibilidade interna e externa.
É um bálsamo para a alma e um estímulo lermos comentários como o seu.

Obrigado.
João Pereira e Friends

ROby a 5 de Agosto de 2010 às 22:52
Querem saber uma coisa? Andam todos muito cegos! Na altura em que este senhor foi para o poleiro, o maior apoio veio dos fascistas e do PSD. Sejamos realistas! Querem queimar o PM e agora este também.

ASS: Um funcionário Publico (+ de 25 anos de carreira)

P.S.: Trabalhem (ou pelo menos procurem trabalho!) e deixem-se de tretas! Vamos ao que interessa!

jover a 6 de Agosto de 2010 às 00:42
Pois....ve~se logo que e funcionario publico....com 25 nos de boa viad à procura de mais 25

Rui a 6 de Agosto de 2010 às 10:27
Nem o Bocage no máximo da sua inspiração conseguiria escrever uma anedota em que um funcionário público diz "trabalhem"!!!!! Nunca se deve falar daquilo que não se sabe o que é pois corre o risco de cair no ridiculo!!! Dou-lhe um conselho.... continue a não fazer nada pois já não é com essa idade que vai saber o que é trabalhar!!!!!!!!!!!!!

antonio teixeira a 6 de Agosto de 2010 às 12:54
Acho piada a muita gente que anda por aqui sempre a falar mal dos funcionários públicos, mas não são todos iguais a que saber por os pontos nos iiis, e deixar de ser injustos, e não tomar a parte pelo todo, a muito bons funcionários públicos também que merecem o nosso respeito.

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 15:08
Prezado António Teixeira,

Não podemos deixar de concordar em absoluto com o seu comentário.
Não podemos colocar no mesmo saco todo o funcionalismo público.
Assim como dentro da classe política há bons e maus políticos.
De resto, como em todas as profissões.
Temos, de facto, de saber separar o trigo do joio.

Obrigado pelo seu comentário, um abraço e até breve!

João Carlos Pereira e Friends

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 15:01
Estimado leitor,

Apenas quisemos expressar humildemente o nosso ponto de vista.
Ainda assim, não podemos perder a oportunidade de lhe agradecer o seu comentário.

Um abraço sincero.
João Carlos Pereira e Friends

tuga a 6 de Agosto de 2010 às 00:52
---O processo que mais dinheiro custou aos cofres do estado (contribuintes), só poderia decorrer dentro desta normalidade, ou seja sem polémicas. Foram constituídos dois arguidos que obviamente serão ilibados, e lá aumenta a despesa publica mais uns pontos percentuais. É caso para dizer que o Sr. Salazar pode voltar que esta perdoado. ---

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 15:11
Caro Amigo "Tuga",

Obrigado pelo seu comentário. Enriquece o Blog e cria luz de discussão!

Um abraço, e até breve!

João Carlos Pereira e Friends

irritado a 6 de Agosto de 2010 às 10:39
O post, que se pretende com graça, está totalmente errado, pelo menos no que respeita à Rainha. A rainha está no cargo por vontade do seu povo, coisa que não acontace como o PGR. A Rainha está lá a contento de uma dúzia de países que a têm como chefe de estado e de mais de 50 que a têm como Head da Comonwealth. A Rainha tem os poderes que tem (que não são poucos, ao contrário do que por aí se diz) e não se queixa. A Rainha não "entrega o testemunho" porque ninguém quer que o faça. Tudo ao contrário do PGR. A Rainha não é provinciana, nem inhabil no desempenho do cargo, nunca meteu os pés pelas mãos, nem deu tiros noa pés. Quanto a ser "dispensável" pergunte-se aos ingleses.
Em resumo, o PGR é uma besta que se atreve a fazer humor idiota com a chefe de estado de países amigos, que tem a mais estrita obrigação institucional de respeitar.
Se este país existisse, esta comparação já tinha custado o lugar ao Monteiro e já tinha havido um pedido formal de desculpas a Sua Majestade Britânica.
Mas não só não há nada disto como há um fulano, em Ourém, que tem o mau gostode comparar dignidade com indignidade, competência com incompetência, majestade com trampa.

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 15:32
Caro leitor,

Antes de mais, obrigado pelo seu comentário, embora "irritado".
Um Blog é um fórum que se pretende livre nas opiniões que veicula, mas sempre com o objectivo de respeitar as opiniões alheias.
É isso que constitui o nosso objectivo e a razão de ser deste modesto e humilde espaço de reflexão.
Mas, estimado leitor, note que Sua Majestade a Rainha de Inglaterra, pelo menos em privado, já deu muitos tiros nos pés, senão veja: segundo Tina Brown, sabe o que Sua Majestade disse ao ver pela primeira vez, ainda na clínica, o seu neto mais velho? "Ainda bem que não tem as orelhas do pai"! Sabia que o futuro Rei de Inglaterra, o Princípe Carlos, quando está em Balmoral juntamente com a restante família, e se pretende usar os jardins para passear, primeiro manda o seu secretário pessoal perguntar ao secretário da Rainha se esta irá querer os jardins só para ela? Até o próprio marido, o Duque de Edimburgo, se quer almoçar com a mulher, ou seja, a Rainha, tem de marcar junto do seu secretário o almoço, e com antecedência, não vá Sua Majestade ter uma caçada agendada para esse dia!
É neste sentido, caro leitor, que entendemos que Isabel II já deveria ter há muito passado o testemunho, para dar uma refrescada à Monarquia e abrí-la mais ao Povo, tornando-a mais moderna e real.
Imaginaria Sua Majestade a autorizar o casamento do Princípe Carlos com uma qualquer "treinadora pessoal" vinda da plebe?
Politicamente falando, isso é outra questão...
Agora, que é irritantemente snob e defensora de costumes desadequados ao nosso tempo, lá isso é.
É que existem Casas Reais bem mais interessantes para servir de modelo - basta olharmos aqui para o lado, para Espanha...

Com respeito e consideração, somos

João Carlos Pereira e Friends

irritado a 11 de Agosto de 2010 às 11:08
Obrigado pela sua resposta.
Os tiros no pé de que fala, a serem verdade, não me incomodam nada. A Senhora é, com a maior das dignidades, guardiã de valores preciosos para o seu povo. Quanto a ser "conservadora", quanto a mim, ainda bem. O seu povo não o é, mas gosta que se defenda o que lhe é, humanamente, intemporal..
Cordiais saudações
IRRITADO

António Veredas a 5 de Agosto de 2010 às 11:34
O procurador é, todos sabemos, um individuo sem personalidade ao serviço do poder(sócrates).
È pena que estes senhores se safem todos sem ser julgados.
Mas será que isto vai ser sempre assim?
Também há, ou pode haver justiça popular. Em Portugal é a ùnica possível para apanhar estes tipos todos que nos sugam o sangue. Eu tenho esperança!

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:09
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

António Pestana a 5 de Agosto de 2010 às 11:54
O botabaixismo bacoco é uma forma que os pobres de espírito encontraram para masturbar o seu ego deplorável...

Elionora Duran a 5 de Agosto de 2010 às 13:25
Quê?! Botabaixismo?! Masturbação de ego? O que é isso? Homem, você deve ser tão bimbo ou mais que o Pinto Monteiro que julga que colocando no discurso uma ou duas palavras mais ou menos bombásticas impressiona! Valha-o Deus, probrezinho!

António Pestana a 5 de Agosto de 2010 às 14:52
O botabaixismo bacoco é efectivamente uma epidemia nacional,denuncia preguiça,laxismo incompetência ,pobreza de espírito...Em oposição à crítica construtiva,trata-se de uma crítica gratuita em que se utilizam adjectivos depreciativos que excitam os egos frustrados sobretudo pela crise,mas não apresenta soluções alternativas concretas aos supostos erros apontados.
Está em moda também entre os políticos da oposição,que chegam ao ridículo de pedir publicamente a demissão do governo na esperança vã que o poder lhe seja oferecido numa bandeja.

Elionora Duran a 5 de Agosto de 2010 às 15:58
Credo, que discurso velho! Que energia velha! Você já morreu e ainda não sabe, homem!
Até o facto de estar cheio de si e das suas razões, em oposição às razões dos outros que, na sua opinião, devem sempre valer menos que as suas, demonstra bem como você está tão bem inserido neste sistema social, político e económico tão "bacoco", dual e injusto! Só que, esse sistema está a dissolver-se, apesar de tal não ser percepcionado pela maioria, o que não deixa de ser lamentável!
Enfim, fique lá com a sua prosápia enquanto dura ...

António Pestana a 5 de Agosto de 2010 às 16:58
E qual o sistema mais justo que está para substituir o actual?

O que pode substituir a Democracia?

Quando um governo não presta, por incapacidade ou incompetência,quem julga que é capaz de fazer melhor apenas tem de se propor a actuar ou mostrar como deve ser feito.Não é andando por aí a espalhar boatos,difamações ou fazendo comentários jocosos sobre quem nos governa,que estamos a contribuir para melhorar alguma coisa.

Lei da Bala a 5 de Agosto de 2010 às 18:31
A solução é bem mais simples do que pensa. A esta corja de corruptos que por cá reina o melhor seria mesmo enfiar-lhes uma bala na cabeça, aqueles que viessem a seguir teriam de certeza mais respeito pelos Portugueses.

António Pestana a 5 de Agosto de 2010 às 21:42
O problema dessa solução está no efeito devastador que produz,a começar por quem o adopta,pois é sabido que quem com ferros mata,com ferros morre.

Luis Santos a 6 de Agosto de 2010 às 08:31
Lei da bala é uma boa ideia tendo em conta que a segunda ou terceira os cobardes borravam-se todos e começavam-se a comer uns aos outros e talvez ai se soubesse muitas verdades.... tendo em conta que o castigo de ser apanhado é ridiculo comparado com as mais valias da corrupção, nao vamos longe nao...

José a 6 de Agosto de 2010 às 12:53
Sim sim, mas estão ali escritos alguns pontos pertinentes no texto do Sr. António. Mas, como é óbvio, visto discordarem da opinião popular e não serem na ordem da piadinha e do mandar abaixo, nem sequer são lidas com atenção, porque "usa palavras caras".

É ridículo, tanta treta sobre a forma velha como o Sr. António escreveu, e nem uma a refutar convenientemente o conteúdo da mensagem. Mas eu traduzo, para quem não percebe, ou se ofende demasiado com a forma para sequer tentar chegar ao conteúdo.

Toda a gente sabe mandar bitaites, e dizer que está tudo mal, mas ninguém mexe a ponta de um chavelho para mudar as coisas. E é aí que as coisas caem no campo do ridículo, porque toda a gente tem uma opinião sobre o que sabe e o que não sabe, queixar por queixar não muda nada, e acaba tudo por ser uma enorme perda de tempo.
Mas sim, óbvio, nada contra a crítica, se realmente levar a algum lado, mas hoje em dia é uma coisa tão cliché, tão banalizada que às tantas o que dá vontade de dizer é "sim, é isso tudo... tão e soluções de jeito?"

Se há coisa tão má quanto velhos do restelo, é treinadores de bancada.

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 16:00
Caro leitor,

A intenção deste Blog é precisamente contribuir para pôr as coisas a mexer...

Obrigado pelo seu comentário.

João Carlos Pereira e Friends

ffaria a 5 de Agosto de 2010 às 16:21
Pestana: ABRE A PESTANA.

José a 6 de Agosto de 2010 às 12:30
Ena, quanta originalidade. E mais piadinhas fáceis, não vai? Porque é isso que contribui pras coisas mudarem.

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:10
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

João Carlos Pereira e Friends a 6 de Agosto de 2010 às 15:58
Caro leitor,

Obrigado pelos seus comentários.
A reflexão é isto mesmo, expressarmos as nossas opiniões e pontos de vista.
E que tal haver um governo que reformulasse até à raiz e até às últimas consequências a educação deste país?
Achamos que tudo isto, todas estas trapalhadas são a consequência de um problema mais fundo e estruturante da sociedade portuguesa: o problema da educação.
Fruto de um péssimo sistema de ensino, temos vindo ao longo das últimas décadas a formar especialistas em quê?
Meninos que batem nos professores?
Gente corrupta e corruptível?
Cursos de lápis e papel que não se enquadram nas nossas reais necessidades?
Sindicatos (imprescindíveis, é certo), mas que estão sempre contra tudo e contra todos, funcionando as mais das vezes como "forças de bloqueio", como alguém já lhes chamou?
Claro que há sempre as excepções à regra e, essas, felizmente, pensamos que são a maioria.
Mas, no pós-25 de Abril o que fizemos pela educação deste país?
Nada ou quase nada...
É que uma reforma a sério da educação não se faz em 4, nem em 8, nem em 12 anos - dura décadas, e isso, não tem interessado aos sucessivos governos que fomos tendo entretanto.
Isso não dá votos, e os senhores que nos têm governado querem é conquistar e manter o poder a qualquer preço e a qualquer custo.
Querem lá saber em alterar o "status quo" - quanto menos se fizer, quanto menos ondas se criarem melhor.
Veja o que sucedeu quando o anterior governo quis avaliar o desempenho dos professores...
E onde está agora a avaliação dos docentes?
Mas alguém, de perfeita e sã consciência, pode pôr em causa que os professores sejam avaliados?
Em todas as profissões as pessoas são avaliadas... Todos nós, desde que nascemos estamos a ser avaliados: na escola, na universidade, quando tiramos a carta de condução, no emprego... e então os professores, são alguma corporação à parte?
Estimado leitor: se fôssemos governo, a pasta da educação seria a primeira a ser aberta, na medida em que "é de pequenino que se torce o pepino"!

Com respeito e amizade,

João Pereira e Friends

António Pestana a 6 de Agosto de 2010 às 22:26
Mais do que mudar a educação,o país precisa sobretudo de recuperar uma consciência nacional há muito perdida e que foi substituida pelo egoismo.
Não vejo o que precise ser mudado de raiz na educação!
Em vez de alunos que batem nos professores,regressar aos alunos que levavam porrada dos professores e faziam ofertas para passar de ano,ou progredir para os alunos que dão tiros nos professores quando chumbam ,como nos USA?
Embora não envolvesse montantes tão altos porque não havia tanto dinheiro a circular,a corrupção também já esteve mais generalizada .Antes de 74 os meninos ricos estavam dispensados da guerra colonial,os funcionários corruptos na generalidade,quando agora são excepção.
A disponibilidade dos cursos não deve ter apenas como objectivo colmatar as necessidades nacionais,mas também o mercado global,nomeadamente os PALOP.

João Carlos Pereira e Friends a 7 de Agosto de 2010 às 13:21
Não, caro António Pestana, nem a 8 nem a 80, ou seja, não defendemos meninos que batem nos professores nem professores que batem nos meninos.
Não acha que esse problema nacional de falta de consciência, motivado pelo egoísmo, é fruto precisamente de uma educação de má qualidade que tem formado, não raras vezes, gente medíocre, sem valores de referência, egoístas, desprovidas de sentido de solidariedade social...?
Temos bons e excelentes professores, é verdade, mas será que não existem outros tantos que estão no ensino apenas porque é seguro trabalhar no estado, ou porque não encontraram vaga nos suas áreas de primeira escolha, ou até porque, por serem engenheiros, vão leccionar matemática (etc.)?
É ou não verdade que, tal como no nosso tempo, continuam a haver licenciados em Direito a leccionar sociologia ou economia, engenheiros a leccionar matemática, e por aí fora...?
Depois, o fandango que é todos os anos a colocação dos professores, e os contratados que nunca sabem se têm ou não emprego...
E a questão pertinente e extremamente necessária da avaliação dos professores, que é feito dela?
E a avaliação dos alunos? E agora a polémica dos "chumbos", afinal alguém sabe do que se trata e em que moldes vai funcionar?
E o problema dos manuais escolares que mudam ao sabor dos interesses das editoras e das conveniências de um punhado de gente sem rosto?
E os programas escolares, será que são os mais indicados às nossas necessidades?
E o facto de a Escola ainda estar, na sua maioria, de costas voltadas para as empesas, ou seja, para o verdadeiro mercado de trabalho?
Afinal, qual é o nosso modelo de ensino?
Ai, caro António Pestana, há ainda tanto para fazer pela educação neste país...
Quando tivermos melhor escola, concertza teremos cidadãos menos egoístas e mais altruístas!
Haja coragem e vontade políticas para mexer nesta questão que é transversal a toda a sociedade portuguesa.

Com amizade,

João Carlos Pereira e Friends

Telmo Tobias a 30 de Agosto de 2010 às 15:32
Caro Senhor, gostaria somente de o informar que, ao contrário do que refere, os manuais escolares não "mudam ao sabor dos interesses das editoras e das conveniências de um punhado de gente sem rosto". Os manuais escolares, sua adopção e demais normativos "mudam"de 6 em 6 anos , "ao sabo"r de uma Lei da Assembleia da República ( n.º47/2006, de 28 de Agosto). Por favor, informe-se antes de escrever asneiras.

João Carlos Pereira e Friends a 31 de Agosto de 2010 às 01:07
Estimado leitor,

Gostaríamos antes de mais de agradecer o seu comentário.
Não podemos, todavia, deixar de referir que é verdade o que afirma.
De facto, com a publicação e entrada em vigor da Lei nº 47/2006, de 28 de Agosto, o período de vigência dos manuais escolares, de acordo com o número 1 do artigo 4º da referida Lei, passou a ser, em regra, de seis anos.
Para além disso, já o Decreto-Lei nº 369/90, de 26 de Novembro, já falava num período de vigência dos manuais escolares de 3 e 4 anos, consoante o grau de ensino.
Ora, como pode constatar o estimado leitor, houve a preocupação, ao longo do tempo, de ir aumentando esse período de vigência, atenta uma justificada equidade social.
Quer isto dizer que o legislador foi sensível ao facto de ser escandaloso que os manuais escolares, durante anos, mudassem ao sabor dos interesses e das conveniências de um punhado de gente sem rosto.
Eu próprio, senti na pele essa injustiça e, embora tendo um irmão mais velho apenas três anos, não pude aproveitar nunca um único manual seu.
Foi ao sacríficio que muitas famílias fizeram durante anos, tendo de comprar novos manuais para os seus filhos mais novos a cada ano que passava, que o legislador foi sensível, e bem.
Como vê, estimado leitor, mesmo assim andou-se muito devagar no que à vigência dos manuais diz respeito.
Foram precisos cerca de 16 anos (1990-2006) para essa vigência passar de 3/4 anos para 6 anos!
Já imaginou quantas famílias foram penalizadas, se endividaram muitas vezes para conseguir adquirir os manuais para os seus filhos?
É neste sentido que surge o nosso comentário com o qual não concordou.
Apesar de tudo, desde 2006 até hoje passaram apenas 4 anos. Ou seja, a Lei nº 47/2006 só pecou por tardia.
Relativamente às "asneiras" de que fala, creia-nos estimado leitor que há por aí quem as cometa todos os dias.
Por nossa parte, não temos a pretensão de querer saber tudo, muito embora procuremos estar informados do que se passa à nossa volta.
Outros, porém, perdem muitas vezes uma boa oportunidade para estar calados... é que nunca se tem uma segunda oportunidade para causar uma primeira boa impressão.

Atentamente,

João Carlos Pereira e Friends

Every Body a 5 de Agosto de 2010 às 12:14
Toda a tutela e vários orgaõs apresentam gravissimos comportamentos à longa data senão reportemos apenas a famosa patuscada no solar do Pata Negra e posteriores desenvolvimentos.
Demitam-se no interesse da Nação

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:14
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

josé a 5 de Agosto de 2010 às 12:21
Este tipo de comentários vazios sobre "parolos" faz lembrar-me outra épocas. Venha o próximo "parolo" que cá há-de haver "letrados" para o achincalhar.

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:14
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

Rego da Silva a 5 de Agosto de 2010 às 13:05
Qualquer quadro (médio ou superior) de qualquer empresa que tivesse apresentado um relatório como o que dois procuradores apresentaram sobre o caso Freeport, era despedido na hora.
Estes dois não se importam de passar por incompetentes desde que com isso desacreditem a instituição que deveriam servir.
Acho muito bem que os procuradores tenham autonomia total no modo com conduzem os processos que lhes são atribuídos.
O que já não aceito é que não tenham que dar contas dos seus trabalho.
Quem ao fim de um processo que dura seis anos alega que não teve tempo para inquirições, mais não está do que lançar suspeitas de factos que não soube provar.
Isto pura perversidade.
O problema não está no PGR está no uso, ou abuso, que os procuradores fazem dos direitos que têm.
Quem mostra não ter perfil devido á mesquinhez, perversidade, imoralidade, falta de ética e desrespeito pela Justiça são estes dois procuradores.
Estes sim deviam se corridos do MP tal como deveriam ser dado ao PGR poderes para que casos deste tipo não se voltem a repetir

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:11
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

Marcos a 5 de Agosto de 2010 às 23:14
Muito bem dito. Parabéns.

Desiludido a 6 de Agosto de 2010 às 11:40
Por favor não se engane... não misture aqueles que trabalharam e produziram "prova" o problema é que existem os Monteiros para desvirtuar essa mesma prova. Ah!!! não se esqueça das Cândidas que por aí andam... tão faladoras (agora) e que, pelo que se soube ontem, afinal receberam o pedido para audição do nosso tão querido e prestigiado Primeiro.
CEGOS são todos aqueles que não querem ver!

Rego da Silva a 6 de Agosto de 2010 às 12:49
Os procuradores do MP têm plenos poderes nos processos que lhe são atribuídos. O PGR não tem qualquer interferência na forma como os procuradores entendem conduzir os processos.
O que estes procuradores fizeram foi apenas lançar suspeitas de factos que não provaram.
“.., aqueles que trabalham...” Isto é algum trabalho? Isto é trabalho sério?
“... as Cândidas...” quem o lê até pode pensar que as tais Cândidas foram nomeadas pelo PGR ou que este tem poderes sobre a forma como são conduzidos os processos que lhe estão atribuídos. Mas não tem. Da mesma forma que não tem sobre todos os outros procuradores.
Com isto, do procuradores terem plenos poderes sobre os processos que lhes estão atribuídos eu estou perfeitamente de acordo.
Mas já não concordo que não possam ser responsabilizados pelo que fazem.
E aquilo que estes dois tipos fizeram não tem nada a ver com Justiça.
É perverso, mesquinho, má fé...
Eu não sei se o Sócrates teve ou não interferência ilegítima no processo Freeport,.
O que sei é que aqueles a quem cabia fazer prova, se limitaram a vir fazer acusações para a praça pública.
Porque uma coisa é um cidadão, em função dos factos que conhece vir dizer que em sua opinião houve ou não corrupção, ou até a comunicação social através do que averigua fazer conjecturas.
Outra, completamente distinta é a atitude destes dois.
Compete-lhes fazer contribuir para que haja JUSTIÇA neste país.
e isso não se obtêm lançando suspeitas de factos que ao longo de seis anos não se conseguiram provar.
Por último e quanto ao facto das “Cândidas tão faladoras” sempre lhe digo que muito mais falador é o presidente do sindicato a que estes gajos pertencem

vitor a 5 de Agosto de 2010 às 14:12
Não podia estar mais de acordo as palavras que escolheu para descrever esta figura de PGR são as mais certas e ajustadas.

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:12
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

Cemart a 5 de Agosto de 2010 às 14:14
Este Pinto Monteiro é que é o pgr?
Se é, é Portugal no seu melhor.
Foi escolhido a dedo. Como pau mandado, não encontravam melhor.
E em incompetencia, também não me parece.
Enfim, é Portugal não podemos pedir mais.

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:12
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

Victor Conde a 5 de Agosto de 2010 às 14:41
Já agora passem a vassoura em tudo, não só no PGR.
Magistratura! Orgão de Soberania? Eleita por quem?
O maior poder em Portugal está nas mãos de magistrados e juizes. Alguém tem duvida.

mariadasoledade@sapo.pt a 5 de Agosto de 2010 às 15:25
Sao casos como estes que fazem de portugal um pais pouco atraente.O PGR porta-se como uma donzela ofendida na sua honra quando, Sócrates se tivesse a dose necessaria de testosterona que homens a serio possuem, levantava um processo contra estes dois incompetentes.Eu, investigaria esses 2 e as suas contas bancárias.Cheira-me a "sell out". Eles sabem que os portugueses tem a memória cada vez mais curta devido ao elevado número de escutas neste pais tem aumentado o numero de diagnosticos de Alhzeimers (tio do Socrates) e, já agora onº de discipulos do Budismo (primo do Socrates).Sera que há uma relaçao entre vigilancia e busca da fé?...e falta de memória?..DEMITAM-SE SEM VERGONHA!!!

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:13
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

Desiludido a 6 de Agosto de 2010 às 11:47
É verdade! São a única profissão que NÃO PRESTA contas a ninguém.
Quando acertam e decidem bem, são bestiais.
O pior é quando olham para a carteira, para o cargo, para a cor, para a influência, para a posição social de quem vão julgar.
Aí a porca torce o rabo.

Victor Conde a 6 de Agosto de 2010 às 15:07
O mais curioso é que este processo está cheio de fugas de informação, que a meu ver são cirurgicas. Houve fugas em 2004 e depois só houve em 2008. Neste intervalo não houve porquê.
Pois é! Só havia interesse na altura das eleições.
O caso BPN por exemplo!!! é estranho.,., não há fugas nenhumas. Não é preciso estar muito atento para perceber que anda aqui marosca. O Socrates pode ter telhados de vidro, mas seis anos a gramar estas tramoias, é obra. Tentou fazer algumas reformas em certos poderes instalados, lichou-se., caíram-lhe logo as corporações em cima. Sindicato dos Magistrados, era um bom tema para aquele programa da TV. "Os Comtemporaneos"
Orgãos de Soberania com sindicato! Só dá para rir

Vasco Soares a 5 de Agosto de 2010 às 16:29
Muito bom. Com sentido de humor, crítica certeira. Parabens ao blog.

João Carlos Pereira e Friends a 5 de Agosto de 2010 às 17:13
Prezado leitor,

Muito obrigado pelo seu comentário!
Apenas quisemos expressar o que, humildemente, pensamos sobre o assunto.

Um forte abraço e até breve.

João Carlos Pereira e Friends

anti25 a 6 de Agosto de 2010 às 13:29
Sr. PGR só me resta um comentário em relaçao a si. DEMITA-SE.O que já devia ter tido a coragem de o fazer á bastante tempo

mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


28



links
pesquisar
 
Contador
free counters
Blog iNovOurém no Facebook
Google Translate
TWITTER
Followers
blogs SAPO