Novo Blog para o Concelho de Ourém. Rumo à Excelência. Na senda da Inovação
comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 04.10.10 às 23:54link do post | | adicionar aos favoritos

 

Um investimento de 100 milhões de euros, totalmente privados, vai permitir colocar Portugal no roteiro da investigação mundial.

Trata-se do novíssimo Centro de Investigação para o Desconhecido da Fundação Champalimaud, da autoria do arquitecto Charles Correa, que será amanhã inaugurado em Lisboa, o qual “concretiza o objectivo da Fundação de construir um centro de investigação científica multidisciplinar, translacional e de referência no campo da biomedicina”.

O espaço escolhido para a construção deste Centro, a zona ribeirinha de Pedrouços, mesmo em frente ao Tejo, estabelece uma perfeita relação entre a cidade e o rio.

O complexo agora edificado, composto por dois edifícios principais, amplos jardins (interiores e exteriores), um anfiteatro ao ar livre e zonas pedonais, entre outras infra-estruturas e equipamentos, está apetrechado da mais recente tecnologia de investigação, prevenção, diagnóstico e tratamento nas áreas das neurociências e da oncologia.

Para além disso, quer investigadores, quer académicos, encontrarão neste espaço condições excelentes para desenvolver os seus projectos de investigação biomédica e com aplicação clínica.

 

Refira-se ainda que o Centro de Investigação para o Desconhecido da Fundação Champalimaud oferece todas as infra-estruturas necessárias para o ensino no campo da biomedicina, dispondo de programas de pós-graduação, mestrados e doutoramentos.     

Pela nossa parte, não podemos deixar de nos regozijar com este projecto, esperando que Portugal possa inverter a tendência dos últimos anos, evitando a saída de muitos talentos para o estrangeiro por não encontrarem no seu país as condições para a prática da investigação.

Quer sejam portugueses ou estrangeiros, o facto é que este novo Centro será certamente um ponto de encontro e um pólo de atracção de talentos, de diferentes culturas e, sobretudo, uma fonte inesgotável de saber e investigação de nível mundial.

Como se vê, também existem bons exemplos em Portugal de dinamismo económico, cultural ou científico. Normalmente, temos a tendência, nós todos, de valorizar apenas o que vem do estrangeiro ou então fazer referência àquilo que é mais negativo, esquecendo, propositadamente ou não, as coisas boas que ainda se vão fazendo no nosso país.

Ora aqui está uma daquelas que é “Made in Portugal”, que tem de ser valorizada e divulgada, e da qual todos temos de nos orgulhar.

 


comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 29.07.10 às 23:11link do post | | adicionar aos favoritos

 

Hoje precisámos de nos deslocar ao Centro de Saúde de Albufeira, felizmente por uma questão menor.

Chegámos lá por volta das 15h00, cumprimos as formalidades burocráticas iniciais e fomos conduzidos a uma sala de espera onde permanecemos até sermos chamados para a triagem.

Feita a triagem, atribuíram-nos uma pulseira verde, uma vez que o nosso caso era de menor gravidade.

Voltámos para a sala de espera e esperámos.

Passada uma hora, continuámos a esperar.

Passadas duas horas, continuámos a esperar.

Entretanto, perguntámos na recepção qual era o tempo previsto para sermos atendidos, mas a resposta que obtivemos foi um surpreendente e seco “não sei, mas se calhar muito tempo, tem uma pulseira verde...”!

Passadas três horas, ainda esperávamos.

E o mesmo sucedia passadas quatro horas.

Passadas cinco horas, continuávamos a esperar.

Até que, já a fome nos incomodava, fomos ao bar para ver se comíamos qualquer coisa.

Foi como se Deus tivesse descido à terra naquela altura. No corredor, a caminho do bar, cruzámo-nos com o “Tó Zé” que trabalhou no Centro de Saúde de Ourém e que, por sorte nossa, está agora a trabalhar temporariamente em Albufeira.

Amavelmente, perguntou-nos o que estávamos ali a fazer.

Após lhe explicarmos a nossa situação e a “rica” tarde que tínhamos tido na sala de espera, encaminhou-nos rapidamente para uma médica, de resto muito simpática, que “perdeu” cinco minutos connosco, o tempo suficiente para nos examinar a garganta e nos receitar um antibiótico para uma ligeira inflamação!

Feitas as contas, foram precisas cinco horas para ganharmos cinco minutos!

Não sabemos se é a organização deste Centro de Saúde em particular, ou se da Saúde em geral, que está mal e que precisa de tratamento.

Mas, uma coisa é certa: temos definitivamente uma Saúde muito lenta.

tags:

comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 24.06.10 às 01:05link do post | | adicionar aos favoritos

 

Há já algum tempo dizia-se por estas bandas que os médicos de família tinham chegado ao nosso concelho em força e que, agora (entenda-se, na altura em que a boa nova foi anunciada), é que ninguém iria ficar sem os ditos. Oh, mas por que razão eu e mais quatro pessoas que eu conheço ainda não temos médico de família? Vá lá, só mais um, é que pelos vistos só faltamos nós...

tags:

mais sobre mim
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


links
pesquisar
 
Contador
free counters
Blog iNovOurém no Facebook
Google Translate
TWITTER
Followers
blogs SAPO