Novo Blog para o Concelho de Ourém. Rumo à Excelência. Na senda da Inovação
comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 01.12.10 às 20:08link do post | | adicionar aos favoritos

 

No tempo dividido

 

E agora ó Deus que vos direi de mim?

Tardes inertes morrem no jardim.

Esqueci-me de vós e sem memória

Caminho nos caminhos onde o tempo

Como um monstro a si próprio se devora.

 

1 de Dezembro de 2010


comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 06.10.10 às 00:55link do post | | adicionar aos favoritos

 

Porque

 

Porque os outros se mascaram e tu não

Porque os outros usam a virtude

Para comprar o que não tem perdão.

Porque os outros têm medo mas tu não.

 

Porque os outros são os túmulos caiados

Onde germina calada a podridão.

Porque os outros se calam mas tu não.

 

Porque os outros se compram e se vendem

E os seus gestos dão sempre dividendo.

Porque os outros são hábeis mas tu não.

 

Porque os outros vão à sombra dos abrigos

E tu vais de mãos dadas com os perigos.

Porque os outros calculam mas tu não.

tags:

comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 29.09.10 às 18:52link do post | | adicionar aos favoritos

 

Liberdade

 

Aqui nesta praia onde

Não há nenhum vestígio de impureza,

Aqui onde há somente

Ondas tombando ininterruptamente,

Puro espaço e lúcida unidade,

Aqui o tempo apaixonadamente

Encontra a própria liberdade.

 

Ausência

 

Num deserto sem água

Numa noite sem lua

Num país sem nome

Ou numa terra nua

 

Por maior que seja o desespero

Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.

tags:

comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 24.08.10 às 00:03link do post | | adicionar aos favoritos

 

“Sou eu

pomar de sensações

rituais fugazes

em buscas demais

raízes vazas de emoção

por percorrer a seiva

o corpo da terra

em flor

brotar um filho

em tanta cor e sabor.

 

Sou eu

filha da terra mãe

que pelo lavrador

me deixo amainar

se o vento não me corre nas veias

se o sol não me queima a pele

e estremeço

com o seu fiel tocar

no meu corpo

ramo de figueira”.

 

Zézinha D’Almeida e Friends

tags:

comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 16.08.10 às 21:36link do post | | adicionar aos favoritos

"Sei que pareço um ladrão,

Mas há muitos que eu conheço,

Que sem parecer o que são,

São aquilo que eu pareço".


comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 07.08.10 às 01:03link do post | | adicionar aos favoritos

 

Este foi um projecto antigo que nasceu de meia dúzia de jovens albicastrenses que fizeram o favor de expressar a sua veia poética numa altura, 1984, em que fazer poesia, segundo alguns, era um mito e um privilégio de “pessoas letradas”, de homens e mulheres distantes que deveriam viver noutro mundo, quem sabe…

Havia, mesmo assim, vozes novas, nessa praça velha.

No entanto, estes intervenientes fizeram estes escritos a título plural.

Foi uma aposta ganha e um novo desafio através da revelação de pequenas “estórias”.

Foi, por exemplo, a história de um grupo de pessoas que se conheciam do fluir da cidade e do tempo.

Encontravam-se, às vezes, em manifestações culturais diversas: fosse no teatro, nas exposições ou no cinema.

Tinham interesses e necessidades culturais próximas.

Mas, com o tempo, foram descobrindo que tinham algo mais em comum: gostavam, afinal, de poesia.

Alguns tinham já ousado, em edição de autor, contactar com o público; outros, por seu lado, aguardavam pacientemente uma oportunidade.

Houve um dia em que alguém lançou a hipótese de se reunirem e lerem os seus trabalhos.

A ideia, que bom são as ideias, germinou e rapidamente cresceu e foi acto.

Surgiram outros interessados.

Leram-se poemas, trocaram-se sugestões, agarraram-se algumas ideias perdidas.

O convívio sugeriu o contacto directo com o público

O velho celeiro da Ordem de Cristo, ali à Praça Velha – o novo espaço do Grupo de Animação Cultural, Amato Lusitano – foi o primeiro palco.

Foi uma noite quente.

Os novos poetas sentiram-se apoiados.

A ideia de alargar o público foi ganhando força: tentar uma publicação colectiva e continuar a propor Serões com a poesia, naquele ou noutros espaços.

Estiveram na Cadeia de Castelo Branco.

Levaram, com o abraço fraterno, sonhos de liberdade com mais amor. Trouxeram alguma dor no olhar e os ouvidos mais despertos.

A tal publicação colectiva, a Colectânea, aqui está: recolha de vozes, sem idade, exprimindo sensibilidades e olhares diferentes; são registos de emoções, protestos, apreensões, problemas do quotidiano.

Às vezes, simples apontamentos, desabafos, gritos reprimidos…

As VOZES NOVAS aqui estão. Delas não vamos falar, nem dos poemas. Isso é a tarefa dos leitores.

Em jeito de saudação, deixamos aqui um outro aviso à “Navegação” que, hoje, nos apeteceu fazer chegar às vossas mãos:

 

“Neste rio apressado dentro de mim,

Sou um momento presente, cadente,

Cisne branco, deselegante,

Limo, nenúfar, verde rosa,

Corrente castor,

Que represa o rio que corre em mim”.

 

Zézinha D’Almeida e Friends

tags:

comentar
publicado por João Carlos Pereira e Friends, em 28.06.10 às 18:05link do post | | adicionar aos favoritos

 

Ode à Paz

 

Pela verdade, pelo riso, pela luz, pela beleza,

Pelas aves que voam no olhar de uma criança,

Pela limpeza do vento, pelos actos de pureza,

Pela alegria, pelo vinho, pela música, pela dança,

Pela branda melodia do rumor dos regatos,

Pelo fulgor do estio, pelo azul do claro dia,

Pelas flores que esmaltam os campos, pelo sossego dos pastos,

Pela exactidão das rosas, pela Sabedoria,

Pelas pérolas que gotejam dos olhos dos amantes,

Pelos prodígios que são verdadeiros nos sonhos,

Pelo amor, pela liberdade, pelas coisas radiantes,

Pelos aromas maduros de suaves outonos,

Pela futura manhã dos grandes transparentes,

Pelas entranhas maternas e fecundas da terra,

Pelas lágrimas das mães a quem nuvens sangrentas

Arrebatam os filhos para a torpeza da guerra,

Eu te conjuro ó Paz, eu te invoco ó benigna,

Ó Santa, ó talismã contra a indústria feroz.

Com tuas mãos que abatem as bandeiras da ira,

Com o teu esconjuro da bomba e do algoz,

Abre as portas da História,

                             deixa passar a Vida!

 

Natália Correia, in "Inéditos (1985/1990)"

tags:

mais sobre mim
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


links
pesquisar
 
subscrever feeds
Contador
free counters
Blog iNovOurém no Facebook
Google Translate
TWITTER
Followers
blogs SAPO